quarta-feira, 27 de julho de 2016

Doenças que podem afetar os olhos dos animais

Assim como nós, seres humanos, os animais domésticos também podem apresentar infecções oftalmológicas, ou seja, doenças que comprometem a saúde ocular e consequentemente a visão.
Os donos  devem ficar atentos a alterações como secreções e intensas coceiras nos olhos. Os principais sintomas são: lacrimejamento excessivo, secreções oculares mucoides e/ou mucopurulentas, olhos vermelhos (principalmente a conjuntiva), aversão à luz forte (dificuldade de manter os olhos abertos), ou seja, fotofobia, prurido ocular e diminuição da acuidade visual, muitas vezes não reconhecendo os donos e/ou esbarrando em objetos no ambiente (móveis, cadeiras, parede).

As doenças oftalmológicas mais comuns nos pets são: glaucoma, uveíte, conjuntivite e catarata. O diagnóstico dessas patologias é feito por dilatação das pupilas, medição da pressão intraocular e corante para fazer contraste e detectar alguma úlcera na córnea.

 Catarata


A catarata é a doença oftalmológica mais comum entre cães e gatos. O cristalino torna-se opaco, dificultando a visão do animal. Por não conseguir enxergar perfeitamente, é comum observá-lo batendo em paredes e objetos, como se estivesse desorientado. O principal sinal clínico do desenvolvimento da doença é a alteração da cor dos olhos do animal, que podem ficar azulados ou esbranquiçados. Os cachorros geralmente desenvolvem a catarata por serem idosos, devido ao desgaste do cristalino. Existe também a chance dos cães manifestarem a doença precocemente, conhecida como catarata juvenil, que ocorre entre os 2 e 4 anos de idade em raças com predisposição genética, como poodle, Bulldog Francês, Cocker Spainel e Lhasa Apso. No estágio inicial, é indicada a intervenção cirúrgica.

Conjuntivite

Assim como nos humanos, a conjuntivite também pode afetar os animais. Ela é caracterizada pela vermelhidão nos olhos e secreção. Corpos estranhos e até mesmo o vento podem acabar causando a doença. Perfumes, alimentos alérgenos e pólen também podem causar sinusite e inflamação das membranas mucosas dos olhos. Nos cães, esta doença não é contagiosa e pode ser tratada com colírios e antibióticos prescritos pelo veterinário.

Glaucoma




O glaucoma é outro problema bem comum que afeta  cães e gatos . A doença neurodegenerativa é caracterizada pela alta pressão interocular, o que torna o olho maior e com aparência mais “saltada”. É uma doença para a vida inteira, mas pode ser controlada com medicamentos e cirurgia.

Uveíte

A uveíte é a inflamação da camada média do olho do cachorro e do gato . Pode ser causada por trauma na úvea ou por bactérias, fungos e vírus. Tem como principais sintomas a dor e vermelhidão. Se não tratada a tempo, pode levar à catarata ou ao glaucoma. O tratamento é feito com anti-inflamatórios receitados pelo veterinário.
Nem todas as doenças oftalmológicas podem ser prevenidas, mas alguns cuidados podem ajudar a saúde dos olhos do seu cão e gato. As lesões podem ser evitadas com cuidados básicos:

Fique atento às mudanças no comportamento do animal. Ele passou a ficar mais e locais escuros e está esbarrando em objetos? Procure ajuda de um especialista.
Observe o seu animal . Não é normal que os olhos mudem de cor ou cocem.
Na hora do banho, use shampoos próprios para cães.
Não direcione o secador diretamente ao rosto para não causar lágrimas em excesso ou machucar os olhos do seu pet.
Não deixe pelos caindo nos olhos.
Nunca use colírios sem a orientação de um profissional.
Evite vento forte nos olhos. Ao passear de carro, não deixe a janela aberta.
Visite regularmente o médico veterinário. Ele poderá avaliar como anda a saúde do seu animalzinho.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Com quem o pet fica em caso de separação do casal?

Não é de hoje que os animais de estimação têm sido tratados como verdadeiros filhos de quatro patas. Nesse sentido, os bebês peludos têm conquistado produtos e serviços cada vez mais específicos, desde massagistas a psicólogos, além de hotéis, padarias, grifes, entre tantos outros mimos.
E para muitos pais corujas, não há nada mais gratificante que cuidar da prole, o que felizmente, influencia a qualidade de vida do animal, que vive atualmente 15 anos ou mais. O problema é que muitos casamentos não resistem tanto tempo assim. É justamente aí que começa o drama judicial. Após o divórcio, quem fica responsável pelo cão ou gato ?
Se ambas as partes comprovarem que têm condições de oferecer um lar digno e decente ao  animal de estimação que antes fazia parte da rotina dos dois, a tutela pode ser compartilhada .

O Judiciário Também Decide Sobre a Guarda dos Animais
Para quem está vivendo o dilema da separação e terá que “brigar” pela guarda do animal de estimação, a boa notícia é que sim, o Judiciário pode resolver esse impasse. O juiz tanto tem o poder de decidir sobre a guarda, como também sobre as visitas, assim como é feito no caso dos filhos menores. Obviamente, que se trata de uma situação na qual o casal não conseguiu entrar em um acordo.
Os animais de estimação têm um lugar especial na família, eles fazem parte dela e são tão queridos quanto qualquer um dos membros, como são os filhos. Por isso, a “briga” entre casais que decidem se separar, mas não abrem mão de ficar com o bichinho querido se tornou bem mais comum do que podemos imaginar.

Como o Poder Judiciário Lida Com a Situação
Como falamos anteriormente, se tornou uma situação muito comum nos tribunais, casais que se divorciam e lutam pela guarda do animal de estimação. Neste caso, cabe aos juízes decidirem com que os animais ficarão e como será o esquema de visitas.
Normalmente, a decisão é basicamente a mesma que o juiz faria no caso de um filho menor de idade. Até porque, ainda não existe leis que especifiquem a guarda dos animais, como deve ser feita e sobre as visitas. No momento, se estudam alguns projetos, mas nada definido ainda. Por isso, os juízes tomam a decisão levando em consideração outros elementos.Quando o casal está se separando de forma amigável, isto é, sem brigas, é mais simples para o juiz tomar a decisão, praticamente, já acertada pelas partes. Neste caso, eles preferem a guarda compartilhada do animal de estimação, atualmente, muito comum, no caso dos filhos menores.
Neste caso, também são decididas com quem fica o animal nas férias, nos feriados festivos, assim como, a ajuda financeira de cada um para cuidar do dia a dia do animal de estimação. É tudo muito parecido com o que é decidido com o filho menor, como a pensão, por exemplo.

Quando o Divórcio Acaba em Litígio
Se no divórcio amigável é tudo muito simples, o mesmo não se pode dizer quando a separação é litigiosa. Neste caso, os casais costumam brigar pelos mais diversos motivos e também, pela guarda do animal de estimação. Nenhum dos lados quer ceder o direito para o outro, brigam pela questão das visitas e em alguns casos, aquele que quer ficar com animal pede pensão alimentícia.
Na maioria dos casos, os juízes, mesmo com toda essa confusão entre as partes, ainda tem optado pela guarda compartilhada. Alguns deles, preferem dar a guarda para uma das partes, considerando o “bom senso”, como por exemplo, qual dos dois tem melhores condições financeiras. Outro fator que é levado em consideração para a escolha entre um ou outro é o espaço que cada um tem em casa para cuidar do animal. Aquele que pode oferecer mais conforto para o bicho de estimação, normalmente, é o que sai “vitorioso”, sendo dado a outra parte, somente o direito de visitas.
Os juízes ainda levam em consideração para dar a decisão final, a afetividade que o bicho tem com cada uma das partes, o tempo que eles podem disponibilizar para os cuidados necessários e o que mais consideram pertinente.
Vale ressaltar que com o julgamento o animal passa a ser considerado um membro da família, legalmente falando e não mais um bem.


Pensão Alimentícia
O pedido da pensão alimentícia não é comum no julgamento da guarda de um animal de estimação, porém, existe. O Judiciário não costuma aceitar, levar em consideração esse pedido. Uma vez que o animal não é uma pessoa, sob o ponto de vista das leis brasileiras.
O bicho de estimação é um bem que pertence a duas pessoas que estão se separando. É dessa forma que a legislação lida com os animais domésticos, neste caso, por isso, a pensão não é levada em consideração. Não se pode pedir pensão alimentícia para um bem, somente para pessoas.
Os juristas consideram ótimo o fato de que a pensão alimentícia para animais de estimação não seja considerada, pois, segundo eles, seria um grande problema ter que prender pessoas, que não pagassem os alimentos de um bicho de estimação.


domingo, 17 de julho de 2016

Como criar Canário Belga

O Canário Belga é ativo, alegre, bonito e tem um canto deliciosamente agradável! No mundo atual, onde sempre temos algo a fazer e o tempo fica cada dia mais curto, ter um Canario Belga de estimação poderá se tornar o companheiro ideal para muitas pessoas. Os Canários são coloridos e têm personalidades agradáveis. Não há nada como escutar o belo canto de um Canario Belga, sempre melodioso e pacífico, para tirar o estresse no final de dia um dia agitado.



 Há alguns fatos curiosos sobre o desenvolvimento destes pássaros e as diferentes raças de Canários que existiram ontem e as que estão presentes atualmente. O ancestral do Canário domesticado que vemos hoje pode ser encontrada nas ilhas Canárias, Açores e Madeira. Desde 1478, quando foram importados pela primeira vez para a Europa, as raças de Canario Belga domésticos mudaram. Na verdade, aconteceram muitas mudanças nos canários ao longo dos anos, com algumas mudanças acontecendo devido a popularidade comercial de algumas raças em detrimento de outras.
Os Canários foram levados para a Espanha em 1478, quando os Espanhóis conquistaram as ilhas Canárias. Por mais de 100 anos, até o século 16, os espanhóis mantiveram o controle dessas pequenas aves, vendendo apenas os machos para outros países europeus. Então, devido a um acidente durante o transporte, uma grande carga de Canario Belga escapou e voou para a ilha de Elba. Em pouco tempo eles passaram a ser criados e foram vendidos para toda a Europa, dando origem a diferentes raças de canário que foram desenvolvidas.

Alimentação do canário belga


O Canário como qualquer ser vivo, ingere alimentos para fazer funcionar seu organismo, isto é: para manter a temperatura do corpo, fazer o metabolismo funcionar, repor tecidos, trocar penas, se movimentar, se reproduzir, etc, etc.
São pássaros granívoros e, portanto, as sementes representam a parte mais importante de sua dieta, que deve ser complementada por uma ração, antigamente chamada de farinhada. Juntos, sementes e ração, devem prover e adequar os alimentos fornecidos às diferentes necessidades de nossos pássaros.

    Aspectos Nutricionais


Alpiste : Como já sabemos o alpiste é a principal semente usada na dieta do canário, deve entrar na mistura com, pelo menos, 60% do total. Sua composição é rica em proteínas, hidrato de carbono, lipídios, vitaminas B1 e E, etc. Os hidratos de carbono produzem calorias, mantendo a saúde da ave, facilitando a digestão.


Aveia : É um excelente provedor de energia, muito rico em amido, e especialmente rico em lisina e cistina, dois dos principais aminoácidos essenciais. Deve ser utilizada no balanceamento da mistura como o principal provedor de Carboidratos exercendo ação benéfica sobre o aparelho digestivo, semelhante ao grão de trigo e arroz com casca. O risco desta semente é a alta manifestação de fungos e outras formas de vida indesejáveis, que podem causar sérios danos à saúde dos pássaros.


Colza : Uma semente rica em proteínas, ótima para o desenvolvimento da glândula tireoide, músculos, penas, vísceras, tendões, possui ainda hidrato de carbono, vitaminas, uma semente oleosa e gordurosa, semente de cor escura, em forma de esfera.


Níger : Uma semente muito apreciada pelo nossos pássaros, tem elevado teor de Proteínas e Gorduras, como a colza esta também é uma semente escura e comprida, é recomendada mais na época de criação mas podendo ser fornecida o ano todo, também possui bastante óleo, sendo um bom fortificante das matérias corantes dos canários.


Linhaça : Também é bastante oleosa, rica em proteínas, é recomendada ser fornecida as aves na época de muda de pena, pois acentua o brilho das penas.


Nabão : É utilizado também nos canários de canto, uma semente macia, é bem oleosa, rica em gordura e hidrato de carbono.


Agrião : É uma verdura de folhas pequenas, verde-escuras,os canários são os que mais gostam...É contém vitamina C.

Cuidados na hora de comprar um canário

Alguns cuidados na  hora da compra  pode determinar  o sucesso ou o fracasso da criação .

Idade do canário:
 Compre sempre canários jovens, a partir dos 5 anos de vida o canário já começa a entrar na sua "aposentadoria", dependendo da ave pode reproduzir e cantar normalmente ou não.
Se o canário não tiver anilha fica impossível saber sua idade.

Vivacidade: compre sempre aquele canário que mais se mostra feliz, quando você se aproxima dele, ele pia, pula, se mostra saudável.
Nunca compre um canário que dorme de dia, fica apático na gaiola.

Penas: Evite comprar canários que não tem uma plumagem uniforme, por exemplo as penas do rabo todas abertas parecendo um leque. Penas da região da cloaca sujas indicam problemas de saúde, diarreia que pode ser o sintoma de diversas doenças.

Pés: Nunca, compre um canário que esteja levantando o pé. Pode ser um leve machucado ou o sintoma de uma doença que em quase 100 % dos casos leva o canário a morte.
Também evite canários com os pés cheios de crostas, cascões.
Os pés devem ser saudáveis, sem calosidades.

Sexo: Cuidado para não ser enganado na hora da compra. O básico para distinguir o sexo é observar se o macho esta em uma gaiola separada sozinho e cantando forte.Apenas  o macho canta, algumas fêmeas cantam, porém é um canto bem inferior e desafinado.


terça-feira, 12 de julho de 2016

Entenda a linguagem canina

Os cães falam entre si e também tentam se comunicar com seus donos da mesma forma, ou seja, usando a linguagem corporal e a  linguagem verbal , assim como nós humanos a usamos. Mas a grande maioria das pessoas que possuem cães em casa, ou em apartamento, não conseguem entender todos estes gestos e barulhos que eles fazem para lhe comunicar ou avisar de algo.Mas o que essa linguagem realmente quer dizer ?

Expressões Corporais

Confiante

• Postura – ereta
• Rabo – abanando lentamente
• Orelhas – atentas, mas com aparência relaxada
• Olhos – pupilas pequenas
• Boca – fechada ou lábios ligeiramente separados
• O que ele quer dizer: “está tudo bem!”

Assustado, ansioso com medo

Cão com medo

• Postura – abaixado
• Rabo – encolhido
• Orelhas – para baixo
• Olhos – olhar arregalado com partes brancas à mostra
• Boca – aberta ou fechada, ofegante
• O que ele quer dizer: “não sei o que está acontecendo!”

Agressivo
Cão agressivo

• Postura – rígida
• Rabo – para cima ou para trás, muito rígido
• Orelhas – atentas em pé
• Olhos – intensos, focados
• Boca – lábios puxados para trás e alguns dentes a mostra
• Arrepios – há uma linha de pêlos que começa na base do pescoço e vai até os ombros. Ela aumenta se o cão estiver agressivo e diminui se ele está relaxado.
• O que ele quer dizer: “estou muito bravo!”


Relaxado
• Postura – deitado ou de pé, tranquilo
• Rabo – para cima abanando ou solto naturalmente
• Orelhas – em seu estado normal, dependendo da raça (as orelhas de um Terrier estariam para cima, mas relaxadas, as de Hound estariam para baixo)
• Olhos – dilatação normal da pupila, focada, mas não olhando fixamente
• Boca – aberta e levemente ofegante
• O que ele quer dizer: “estou tranquilo!”


Linguagem verbal canina

Por que o cachorro uiva?
É uma tentativa de localizar alguém ou outro cachorro da rua. Quando você sai para trabalhar, é possível que o seu cão uive na tentativa de fazê-lo voltar para casa. Quando um cãozinho começa a uivar na vizinhança, normalmente outros se juntam a ele, você já reparou?

Por que um cachorro rosna ou “resmunga”?
Isso significa “se afaste”. Seu cão pode rosnar para outro cachorro, para alguma pessoa que não goste ou até mesmo para você ao tentar tirar seu brinquedo. Indica que vocês podem entrar em negociação!

O grunhido ou murmúrio
O seu cão quer alguma coisa. Esse é um som quase manipulador – ele sabe que se latir vai se dar mal, mas com um sutil “grunhido” pode conseguir o que quer. Esse som também é ouvido quando cães cumprimentam outros cães ou humanos.

O choramingo
Cães choramingam quando estão ansiosos ou com dor. Quando descobrem que ganham atenção, usam isso em benefício próprio.
Por que o cachorro geme?
Isso indica frustração. Eles querem “reclamar” de alguma coisa.

Por que o cachorro late?
Há diferentes tipos de latidos. Um latido estridente indica empolgação e felicidade. Já o latido baixo, está relacionado com agressão e provavelmente, uma ameaça. Cães latem para chamar a atenção, para responder a outros cachorros, indicar que estão felizes e para alertar humanos sobre algum problema. O cão pode detectar um “problema” que você não viu nem ouviu, como uma sirene distante ou o gato do vizinho se escondendo na árvore.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Plano de saúde para pets

Muita gente considera os animais de estimação como membros da família, fazendo com que os bichinhos tenham as mesmas regalias que os outros entes queridos.
Cada vez mais preocupados com o bem-estar e saúde  dos seus animais , os donos têm contratado plano de saúde  para seus pets.


Os planos de saúde para animais se assemelham aos planos humanos em vários aspectos, mas o preço não chega à mesma magnitude. Além da cobertura do plano, outros fatores que podem influenciar no preço são a raça, o porte e a idade do animal. Com menos de 50 reais por mês já é possível contratar um plano que inclua consultas, vacinas, atendimento de emergência e exames laboratoriais e de imagem. Com quantias que variam  entre 100 e 200 reais mensais, dá para contratar planos mais top, que incluem até acupuntura.



Plano de saúde para animais exige cuidado na contratação.

Os planos para animais foram criados por meio de uma resolução e são regulamentados pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV). Como os procedimentos inclusos não são regularizados, cada clínica pode oferecer uma cobertura de plano diferente.
- Primeiro, avalie se é realmente necessário contratar o plano.
- Como deve ser feito sempre, leia o contrato com atenção.
- Fique atento às taxas, para que não sejam cobrados valores abusivos, principalmente em casos de rescisão de contrato ou morte do animal.
- Tenha cuidado com a carência do convênio, que pode variar de um mês a um ano, dependendo do procedimento.
- Observe o registro do veterinário responsável pelo estabelecimento.



Postagens Relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...